Início | Sobrenomes | Fotos | Livros | Outras Famílias
Fale Comigo   
Famílias
Sertanejas
Localização de pessoas 
   
  Memória: Nenhum nome memorizado. Terça-Feira, 19-11-2019  

Relação dos Ancestrais de
Luiz Rodrigues de Barros

1 - Luiz Rodrigues de Barros (*13-07-1849, +25-03-1918) - (filho de 2 - Manoel Salvador da Cruz e 3 - Clara Linda da Silva) Coronel. (Luizinho). Do Angico.

Pais

2 - Manoel Salvador da Cruz (*1810, +16-06-1873) - (filho de 4 - Luiz Rodrigues da Cruz e 5 - Maria de Barros da Assunção) Capitão. Foi criado na Fazenda Panela D'Água, por suas tias Clara Lina da Silva e Ana Maria Diniz, que o fizeram herdeiro único dos seus bens. Fundou a Fazenda Água Branca, em terras da Panela D'Água, Floresta, onde morava. Foi subdelegado (1845 a 1847) de Fazenda Grande e também membro da primeira Câmara Municipal de Floresta (de 1846 a 1849 e de 1849 a 1856), quando a sede ainda estava na Vila de Tacaratu.
3 - Clara Linda da Silva (+1888) - (filha de 6 - José Lopes Diniz e 7 - Josefa Gonçalves Torres) Conhecida como Clarinha.

Avós

4 - Luiz Rodrigues da Cruz (*1779) - (filho de 8 - Francisco Rodrigues da Cruz e 9 - Maria Rosa de Jesus) Capitão-de-Conquista. Tomou parte em diversos movimentos revolucionários ocorridos no Nordeste. Em 1824, foi chamado para combater os revolucionários do Maranhão, chegando até Oeiras, no Piauí, onde adoeceu e teve que regressar para Pernambuco. Por essa razão, foi considerado traidor ou desertor, ficando preso por seis meses na cadeia de Flores - PE.
Em 1832, combateu ou foi partidário do General Pinto Madeira, na famosa Guerra do Pinto, no Ceará, onde foi morto em combate o seu filho Capitão Francisco Antônio de Barros. Também tomou parte na revolução da Serra Negra, em 1848, combatendo as forças do governo, ao lado do seu parente José Rodrigues de Moraes, neto do primeiro dono daquela serra, João Rodrigues de Moraes, morto em 1832.
5 - Maria de Barros da Assunção (*1794) - (filha de 10 - Manoel Lopes Diniz Filho e 11 - Ana Maria de Carvalho)
6 - José Lopes Diniz (*18-03-1760) - (filho de 12 - Manoel Lopes Diniz e 13 - Maria de Barros da Silveira) Capitão. Batizou-se na Capela de N. S. da Conceição, tendo como padrinhos Francisco Rezende Bezerra e Rosa Maria do Nascimento. Residia na fazenda Panela D'Água, município de Floresta, PE.
7 - Josefa Gonçalves Torres - (filha de 15 - Geralda) Sobrinha de Florência Maria de Barros.

Bisavós

8 - Francisco Rodrigues da Cruz
9 - Maria Rosa de Jesus
10 - Manoel Lopes Diniz Filho (*1751, +1839) - (filho de 20 - Manoel Lopes Diniz e 21 - Maria de Barros da Silveira) Coronel. Fazendeiro e boiadeiro no Sertão, era conhecido por Coronel do Brejo, em referência à Fazenda Brejo do Gama, Floresta - PE, onde morava, arrendada da Casa da Torre da Bahia.
Foi nomeado Coronel das Entradas do Distrito de Tacaratu e Flores, em 15-10-1781 e 19-12-1788, respectivamente. De 1801 a 1803 era Juiz Ordinário do Julgado do Sertão do Pajeu (Flores). Com a instalação da Vila de Flores, foi nomeado Capitão em 27-05-1811.
11 - Ana Maria de Carvalho - (filha de 22 - Gen. Frederico Licor) Da fazenda Malhada Grande, na margem pernambucana do Rio São Francisco, hoje Belém do São Francisco-PE.
12 - Manoel Lopes Diniz (*17-01-1709, +07-12-1796) - (filho de 24 - Bento Lopes e 25 - Águeda Maria Diniz) De Santo André de Marecos, no Conselho de Penafiel, cidade e bispado do Porto, Portugal. Fundador da Fazenda Panela d'Água, em Floresta do Navio. Diz-se que descendente do 6º Rei de Portugal, o Rei Lavrador, D. Diniz (filho de Afonso III e Beatriz de Castela), casado com Isabel de Aragão, a Rainha Santa (canonizada pela Igreja Católica como Santa Isabel). Foi sepultado na Igreja do Rosário, em Floresta-PE (1796).

Panela D'água era uma antiga fazenda de gado situada ao Leste da Serra do Arapuá no Sertão do Pajeú, arrendada em 1756 ao morgado da Casa da Torre na Bahia, e pertencente à Francisco Garcia D'Avila Pereira e Aragão proprietário destas terras na Provincia de Pernambuco, pelo portugues Manoel Lopes Diniz e posteriormente comprada por seu filho José Lopes Diniz.
13 - Maria de Barros da Silveira - (filha de 26 - João Pinto Leal e 27 - Maria de Barros da Silveira)
15 - Geralda - (filha de 30 - João Pinto Leal e 31 - Maria de Barros da Silveira)

Trisavós

20 - Manoel Lopes Diniz (*17-01-1709, +07-12-1796) - (filho de 40 - Bento Lopes e 41 - Águeda Maria Diniz) (Mesma pessoa de nº 12)
21 - Maria de Barros da Silveira - (filha de 42 - João Pinto Leal e 43 - Maria de Barros da Silveira) (Mesma pessoa de nº 13)
22 - Gen. Frederico Licor
24 - Bento Lopes (*05-06-1671, +1740) - (filho de 48 - Gaspar Lopes e 49 - Catarina Teixeira) Morava no lugar da Reigada, em Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
25 - Águeda Maria Diniz (*05-02-1681, +1743) - (filha de 50 - Manoel Dias e 51 - Ana Diniz) Da freguesia de Santos Andredo Marrocos, norte de Portugal (ou África).
26 - João Pinto Leal (+Sim) Alferes.
27 - Maria de Barros da Silveira (+Sim) - (filha de 54 - Manoel de Souza da Rocha e 55 - Feliciana de Barros da Silveira) Também consta como Maria da Silveira Barros.
30 - João Pinto Leal (+Sim) (Mesma pessoa de nº 26)
31 - Maria de Barros da Silveira (+Sim) - (filha de 62 - Manoel de Souza da Rocha e 63 - Feliciana de Barros da Silveira) (Mesma pessoa de nº 27)

Tetravós

40 - Bento Lopes (*05-06-1671, +1740) - (filho de 80 - Gaspar Lopes e 81 - Catarina Teixeira) (Mesma pessoa de nº 24)
41 - Águeda Maria Diniz (*05-02-1681, +1743) - (filha de 82 - Manoel Dias e 83 - Ana Diniz) (Mesma pessoa de nº 25)
42 - João Pinto Leal (+Sim) (Mesma pessoa de nº 26)
43 - Maria de Barros da Silveira (+Sim) - (filha de 86 - Manoel de Souza da Rocha e 87 - Feliciana de Barros da Silveira) (Mesma pessoa de nº 27)
48 - Gaspar Lopes (*09-01-1640, +1675) - (filho de 96 - Manoel Francisco Lopes e 97 - Maria Antônia) Moravam em Santo Estêvão de Oldrões, bispado do Porto, Portugal.
49 - Catarina Teixeira (*1642, +1696) - (filha de 98 - Gonçalo Teixeira e 99 - Maria Francisca)
50 - Manoel Dias (+1691) - (filho de 100 - Gaspar Dias e 101 - Maria Dias) Morava em Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
51 - Ana Diniz (*14-05-1637, +1712) - (filha de 102 - Domingos Gonçalves e 103 - Francisca Diniz)
54 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) Capitão. Arrendou a fazenda Tacoatiara, no lado pernambucano do rio São Francisco, no termo de Tacaratú.
55 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759)
62 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) (Mesma pessoa de nº 54)
63 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759) (Mesma pessoa de nº 55)

Pentavós

80 - Gaspar Lopes (*09-01-1640, +1675) - (filho de 160 - Manoel Francisco Lopes e 161 - Maria Antônia) (Mesma pessoa de nº 48)
81 - Catarina Teixeira (*1642, +1696) - (filha de 162 - Gonçalo Teixeira e 163 - Maria Francisca) (Mesma pessoa de nº 49)
82 - Manoel Dias (+1691) - (filho de 164 - Gaspar Dias e 165 - Maria Dias) (Mesma pessoa de nº 50)
83 - Ana Diniz (*14-05-1637, +1712) - (filha de 166 - Domingos Gonçalves e 167 - Francisca Diniz) (Mesma pessoa de nº 51)
86 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) (Mesma pessoa de nº 54)
87 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759) (Mesma pessoa de nº 55)
96 - Manoel Francisco Lopes (*1600, +1674) - (filho de 192 - Gaspar Francisco e 193 - Catarina Lopes) Moravam em Santa Maria de Perozelo, bispado do Porto, Portugal.
97 - Maria Antônia (+1655) - (filha de 194 - Francisco Diniz e 195 - Maria Dias)
98 - Gonçalo Teixeira (*16-01-1606, +1694) - (filho de 196 - Antônio Teixeira e 197 - Maria Dias) Moravam em Santo Estêvão de Oldrões, bispado do Porto, Portugal.
99 - Maria Francisca (*21-03-1618, +1654) - (filha de 198 - Francisco Fernandes e 199 - Violante Gonçalves)
100 - Gaspar Dias (+1667) Morava em Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
101 - Maria Dias (+1699)
102 - Domingos Gonçalves (+1664) Residia na Reigada, Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
103 - Francisca Diniz (+1675)

Hexavós

160 - Manoel Francisco Lopes (*1600, +1674) - (filho de 320 - Gaspar Francisco e 321 - Catarina Lopes) (Mesma pessoa de nº 96)
161 - Maria Antônia (+1655) - (filha de 322 - Francisco Diniz e 323 - Maria Dias) (Mesma pessoa de nº 97)
162 - Gonçalo Teixeira (*16-01-1606, +1694) - (filho de 324 - Antônio Teixeira e 325 - Maria Dias) (Mesma pessoa de nº 98)
163 - Maria Francisca (*21-03-1618, +1654) - (filha de 326 - Francisco Fernandes e 327 - Violante Gonçalves) (Mesma pessoa de nº 99)
164 - Gaspar Dias (+1667) (Mesma pessoa de nº 100)
165 - Maria Dias (+1699) (Mesma pessoa de nº 101)
166 - Domingos Gonçalves (+1664) (Mesma pessoa de nº 102)
167 - Francisca Diniz (+1675) (Mesma pessoa de nº 103)
192 - Gaspar Francisco - (filho de 384 - Francisco Jorge e 385 - Margarida Alves)
193 - Catarina Lopes - (filha de 386 - Gonçalo Lopes e 387 - Margarida Alves)
194 - Francisco Diniz (+1628)
195 - Maria Dias (+1610)
196 - Antônio Teixeira (*SEC XVI, +1658) Padre. Foi cura em Santiago de Valpedre, Porto - Portugal, entre 1603 e 1605, e vigário de São Miguel de Arcozelo, bispado do Porto, Portugal, entre 1622 e 1658.
197 - Maria Dias
198 - Francisco Fernandes (+1670) Residia em Santo Estêvão de Oldrões, bispado do Porto, Portugal.
199 - Violante Gonçalves (+1659)

Heptavós

320 - Gaspar Francisco - (filho de 640 - Francisco Jorge e 641 - Margarida Alves) (Mesma pessoa de nº 192)
321 - Catarina Lopes - (filha de 642 - Gonçalo Lopes e 643 - Margarida Alves) (Mesma pessoa de nº 193)
322 - Francisco Diniz (+1628) (Mesma pessoa de nº 194)
323 - Maria Dias (+1610) (Mesma pessoa de nº 195)
324 - Antônio Teixeira (*SEC XVI, +1658) (Mesma pessoa de nº 196)
325 - Maria Dias (Mesma pessoa de nº 197)
326 - Francisco Fernandes (+1670) (Mesma pessoa de nº 198)
327 - Violante Gonçalves (+1659) (Mesma pessoa de nº 199)
384 - Francisco Jorge
385 - Margarida Alves (+1632)
386 - Gonçalo Lopes (+1631)
387 - Margarida Alves (+1613)

Octavós

640 - Francisco Jorge (Mesma pessoa de nº 384)
641 - Margarida Alves (+1632) (Mesma pessoa de nº 385)
642 - Gonçalo Lopes (+1631) (Mesma pessoa de nº 386)
643 - Margarida Alves (+1613) (Mesma pessoa de nº 387)

Total de Ancestrais: 80
Nota explicativa da numeração: A primeira pessoa da relação tem sempre o número '1'. Em seguida, cada pessoa do sexo masculino tem um número par, que é calculado multiplicando-se o número de seu filho por 2. As pessoas do sexo feminino, por sua vez, têm um número ímpar, que é calculado somando-se 1 ao número do seu marido. Exemplo: O pai da pessoa de número 3 é a de número 6 (3 x 2) e a sua mãe é a pessoa de número 7 (2 x 3 + 1).
 
   
Início da Página Dados disponibilizados por Magno José de Sá Araújo © - e-mail: Magno José de Sá Araújo