Aguarde...

Genealogia Pernambucana

Famílias Sertanejas

Genealogia de famílias do sertão nordestino

Genealogia Pernambucana

Famílias Sertanejas

Famílias Sertanejas

Genealogia de famílias do sertão nordestino

Olímpia de Sá Araujo

Fotógrafa e Bordadeira
ID: #2 Family Search ID: GDHK-RV2
52 anos, 7 meses e 13 dias, em 26-05-1971.
Nascimento:
Falecimento:
Notas:
Sinhá, como era carinhosamente conhecida por todos, revelou-se desde cedo uma menina inteligente e prendada. Era a filha mulher mais nova de um total de 21 (vinte e um) irmãos, dos quais sobreviveram 13. Com as dificuldades da época, de quem morava no interior, sobreviveu à secas constantes e superou problemas financeiros de uma família grande e de poucos recursos. Agregue-se, a tudo isso, a atuação dos grupos de cangaço e das volantes que, na época, eram um terror para as cidades circunvizinhas.

Sinhá conseguiu concluir o Curso Primário (equivalente ao 1º Grau de hoje). Logo começou a se sobressair e mostrar suas qualidades, sendo pois, convidada para lecionar na Escola Municipal Imaculada Conceição, em Caiçarinha da Penha, 3º Distrito de Serra Talhada. Foi professora por alguns anos, procurando transmitir a seus alunos o que de melhor tinha dentro de si: amabilidade, amor ao próximo, conhecimento e responsabilidade. Seus trabalhos sempre foram executados com esmero e dedicação, o que a fez ser lembrada até hoje. Sua memória impressionava. Ao narrar fatos não esquecia um só detalhe. Costumava se referir às cartas que enviava, citando-as de cor. Sua caligrafia foi sempre a mesma. Jamais mudou, mesmo com o passar dos anos.

Em Serra Talhada, trabalhou por alguns anos na Farmácia do Hospital Regional Agamenon Magalhães, fazendo aí grandes amizades. Era a preferida por todos quando precisavam de alguém para aplicar injeção, pois diziam que tinha mãos de fada. Suas mãos de fada se destacaram também nos bordados que fazia. Bordou durante toda a vida. Bordava com tanto capricho que, muitas vezes, não se conseguia distinguir o avesso do direito. Era conhecida também por suas ações caridosas. Se alguém precisasse de ajuda, estava sempre disponível, em detrimento de si própria.

Aos 26 anos de idade (2 vezes 13), casou-se com José Firmo de Araújo, filho de David Firmo de Araújo e Fernandina Cavalcanti de Araújo, passando a adotar o nome de OLIMPIA DE SÁ ARAÚJO. Após o casamento, moraram nas cidades de Sítio dos Nunes, Ouricuri e Triunfo.

Após 13 anos de casada, faleceu seu esposo, Zé Firmo, ficando viúva com apenas 39 anos (3 vezes 13). Seu primogênito, José Firmo, tinha apenas 11 (onze) anos e a mais nova, Cássia, um ano e três meses. Passou alguns anos por uma vida difícil e cheia de sacrifícios, trabalhando até tarde da noite, fazendo bordados e fotografias para conseguir manter os filhos e educá-los.

Gostava de dizer que passou a exercer a função de fotógrafa para criar os filhos e nunca perdeu um filme nem uma foto sequer. Nessa época, recebeu muito apoio das freiras do Colégio Stella Maris, dos frades do Convento São Boaventura e das grandes amizades que fez em Triunfo.

Em 1966, após 13 anos morando em Triunfo, conseguiu, com muito sacrifício, comprar uma casa em Recife, para onde se mudou definitivamente, para que seus filhos pudessem fazer o curso superior e conseguir um bom emprego. Ela costumava dizer que o treze era seu número de sorte, e, por uma incrível coincidência, além de outras, a casa comprada ficava no lote 13, quadra 13, tinha o número 313 e o vencimento das prestações era dia 13 de cada mês. Alguns anos depois, ficou doente. Lutou contra um câncer por alguns anos, mas, infelizmente, não conseguiu domá-lo, vindo a falecer após 13 anos de sua viuvez.

Costumava dizer, com alegria, que nasceu no dia da última aparição de Nossa Senhora de Fátima e, talvez mais uma coincidência, a última vez que foi para o hospital era 13 de maio (aniversário da primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima). Veio a falecer no dia 26 de maio de 1971, após 13 dias de hospitalização. Foi sepultada no Cemitério de Santo Amaro, no túmulo denominado São Benedito, de número 13.

Antes de falecer, já doente, teve a felicidade de ver surgirem os primeiros frutos de sua árdua batalha: seu filho mais velho foi um dos primeiros colocados no concurso do Banco do Brasil e também recebeu o diploma de Bacharel em Direito.

Para os que a amavam, aí está um pouco de sua história.
(Biografia escrita por seus filhos em 04 de maio de 2000.)
... Ver mais Ver menos
Filhos com

José Firmo de Araujo

Agente de Estatística, Fotógrafo, Poeta, Jornalista e Orador
ID: #1 Family Search ID: LKH1-1MH
37 anos e 9 dias, em 08-09-1957.
Nascimento:
Casamento:
Falecimento:
Notas:
Zé Firmo, como gostava de ser chamado, nasceu na Serra do Catolé, em uma casa de taipa, onde passou os primeiros trinta dias de sua existência, para chegar até Betânia, onde renasceu pelas águas salutares do batismo, conforme ele mesmo disse em seu discurso de 18/7/1954. Morou em diversas cidades do interior de Pernambuco, como Sítio dos Nunes e Ouricuri, radicando-se, finalmente, na cidade de Triunfo, a partir de 22 de janeiro de 1953, onde passou os últimos anos de sua vida e de onde não mais pretendia sair. Disse ele em uma de suas cartas ao seu chefe Laércio Coutinho de Barros, quando soube que pretendiam transferi-lo para a cidade de Lajedo: “A minha posição social aqui já está firmada. Sou membro diretor de algumas das principais associações locais. Há muitas pessoas aqui que me depositam inteira confiança, não me faltando nas horas de aperto quem me faça favores. Radiquei-me aqui em Triunfo e só sairei daqui depois de fazer o último apelo possível.”.

Nas cidades de Ouricuri e Triunfo, Zé Firmo exercia o cargo de Agente Municipal de Estatística do IBGE, tendo sido nomeado, em 3 de junho de 1955, Chefe de Agência de Estatística no município de Triunfo. Além do cargo de Servidor Público Federal, Zé Firmo desenvolvia, em suas horas vagas, o seu talento de ESCRITOR, POETA, JORNALISTA, ORADOR, RÁBULA e FOTÓGRAFO. Foi nomeado correspondente do “JORNAL DO COMMERCIO” e “DIÁRIO DE PERNAMBUCO” e era membro efetivo da ASSOCIAÇÃO DA IMPRENSA PERNAMBUCANA. Escreveu inúmeros artigos para esses jornais de grande circulação do Estado de Pernambuco, como as histórias das povoações pernambucanas, poesias e diversos outros artigos. Também escreveu a história do cangaceiro Dé Araújo, seu tio e padrinho, que não chegou a ser publicado, em virtude de seu falecimento. Como servidor público, escreveu o histórico da cidade de Triunfo, publicado pelo IBGE no ano de 1957.

No campo da fotografia, foi premiado, em 1956, com o 3º lugar, no III Salão Nacional de Arte Fotográfica do Recife, patrocinado pelo Departamento de Documentação e Cultura da Prefeitura Municipal do Recife, concorrendo com fotógrafos das capitais e do interior de todos os Estados e Territórios da Nação. Também posaram para sua objetiva as professorandas do Colégio Stella Maris, onde era o fotógrafo oficial dos eventos daquela entidade.

Como poeta, compôs diversos sonetos, acrósticos e poemas, recebendo elogios de ilustres pernambucanos, como Mário Mello e Coronel Leite Machado, dentre outros.

Na política, fez inúmeros discursos para candidatos a Governador do Estado de Pernambuco, como o General Cordeiro de Farias, eleito no ano de 1954 e foi candidato a Deputado Estadual, pelo PRP. Embora não tenha sido eleito, foi o quinto mais votado no seu partido. Também apoiou a candidatura de Plínio Salgado para Presidência da República, no pleito de 1955.

Como rábula (advogado que, não possuindo formação acadêmica em Direito, obtinha a autorização do órgão competente do Poder Judiciário, ou da entidade de classe, para exercer, em primeira instância, a postulação em juízo), atuou com sucesso por diversas vezes nas cidades de Ouricuri e Triunfo. Em uma de suas defesas, na cidade de Ouricuri, patrocinou a causa de seu tio Leonel e de mais seis amigos, tendo sido todos absolvidos, sendo seu tio Leonel e outros cinco deles, por unanimidade. Contou ele a outro seu tio em uma de suas cartas: “Caro padrinho, não fica bonito para mim, contar-lhe esta história, mas, somente eu posso dizer-lhe da grande satisfação, que durante aqueles dias invadiu meu coração de advogado. O Promotor se perdia folheando os volumosos processos, sem saber como acusar. Para ouvirem a minha palavra, mães de família abandonaram seus lares e comerciantes fecharam seus estabelecimentos. O salão do júri tornou-se pequeno para a assistência de cada sessão.”.

Recentemente, em uma conversa com o Juiz de Direito Assis Timóteo, residente em Triunfo-PE, ele mencionou que José Firmo havia sido seu professor de História e Geografia no Ginásio Diocesano Pio XII de Triunfo. Como assim? Perguntei a ele. Ele só tinha o curso primário. Como podia ser professor no Ginásio? Ele me explicou que, na época, não se exigia títulos para ser professor. Bastava o conhecimento notório das matérias.

Por Magno José de Sá Araujo, seu filho, em 10/04/2012, por ocasião de sua escolha, por Melchiades Montenegro, como patrono da cadeira da Academia Triunfense de Letras e Artes - ATLA, por ele ocupada.
... Ver mais Ver menos
Advogado (Banco do Brasil)
ID: #3
✭14-03-1946 – ✟23-12-1994
1
Auditor do Banco Central do Brasil
ID: #4
✭14-04-1948 –
2
Economiária (Caixa Econômica Federal)
ID: #5
✭28-05-1950 –
3
Analista de Sistemas
ID: #6 – Family Search ID: LKH1-B9N
✭17-08-1952 –
4
Engenheiro Eletricista (Chesf) e Fotógrafo
ID: #7
✭08-04-1954 –
5
Engenheira de Minas e Analista de Sistemas
ID: #8
✭19-06-1956 –
6
  • É possí­vel saber as relações de parentesco entre duas pessoas quaisquer deste site. Para isso, é necessário memorizar o nome de uma das pessoas e seguir as instruções seguintes:
  • Você pode também memorizar e verificar o parentesco clicando em Parentesco na barra de menus.
Localidade
Nossos Patrocinadores
Outros Arquivos Genealógicos
Links
  • Brother's Keeper
    O melhor programa para registro de dados genealógicos, usado por mim desde o início deste trabalho.
  • Família Coelho Rodrigues
    Site dos descendentes de Valério Coelho Rodrigues, com sua história, descendentes e muitas outras informações.
  • Uma organização internacional sem fins lucrativos que oferece ferramentas gratuitas para ajudá-lo a descobrir sua genealogia. Muitas pessoas aqui neste site já possuem links para seus registros no Family Search.
  • Colégio Brasileiro de Genealogia
    Deseja pesquisar mais sobre sua família e não sabe como fazer? Aqui você vai encontrar dicas importantes.
  • Arquivo Nacional
  • My Heritage
  • Ancestry
  • Geneall
  • Geneanet
  • Geni

Nome Memorizado
Nenhum nome memorizado.
Dados do arquivo
Data: Sábado, 13-8-2022 23:5 GMT - DB2
Pessoas: 107.918
Famílias: 34.252
Contato
Site desenvolvido por
Magno José de Sá Araujo
genealogia.pernambucana@gmail.com