Início | Sobrenomes | Fotos | Livros | Outras Famílias
Fale Comigo   
Famílias
Sertanejas
Localização de pessoas 
   
  Memória: Nenhum nome memorizado. Quinta-Feira, 2-7-2020  

Relação dos Ancestrais de
José Mendes Modesto

1 - José Mendes Modesto (*12-04-1906) - (filho de 2 - Manoel Severino Mendes e 3 - Izabel Modesto) Foi registrado no dia 28/08/1906.

Pais

2 - Manoel Severino Mendes - (filho de 4 - Severino Francisco Mendes e 5 - Luduvinda Maria Mendes)
3 - Izabel Modesto (*14-01-1875) - (filha de 6 - Victor José Modesto e 7 - Delfina Maria da Conceição) Sétima dos filhos do Coronel Victor José Modesto, foi batizado pelo padre Claro Mendes de Carvalho, da Paróquia de Jaicós-PI, sendo seus padrinhos José Florencio Alves da Luz e sua mulher Vitalina. Casada com Manoel Severino Mendes, tiveram 3 filhos. Mudaram-se para o estado da Bahia e, ao que se sabe, perderam o contato com o restante da família e, por essa razão não tivemos como mencionar seus descendentes.

Avós

4 - Severino Francisco Mendes
5 - Luduvinda Maria Mendes
6 - Victor José Modesto (*1837, +08-09-1895) - (filho de 12 - José Francisco da Silva e 13 - Ana Gomes da Silva) Coronel. Seus pais lhe deram três nomes próprios, e nunca imaginaram que o terceiro nome fosse transformado em patronímico e gerar uma família tão grande e importante do Sertão Pernambucano. Inclusive, hoje os seus descendentes encontram-se espalhada por vários estados e países.
Em 1858, chegou à atual cidade de Brejo Santo, com 21 anos de idade, e ali se estabeleceu com seus pais e irmãos (Antônio Gomes da Silva Bastos, Lourenço Gomes da Silva, Inácio Gomes da Silva, Luzia Gomes da Silva e Basílio Gomes da Silva).
Em 1859, casou-se em Salgueiro-PE com Delfina Maria, que na época tinha 15 anos. Dessa união nasceram quatorze filhos, sendo dez homens e quatro mulheres.
Seus dois primeiros filhos são naturais da cidade do Salgueiro-PE. O primogênito, Antônio (1862), e Anna, apelidada de Aninha (1864).
Em 1865, ele retorna a Brejo Santo pela segunda vez. Mas foi em Milagres-CE onde nasceram o 3o, 4o e 5o filhos: João (1865), Maria Modesto (1869) e Joana (1871).
Em 1872, ele se torna o primeiro cidadão a exercer função policial em Brejo Santo (Delegado Civil, nomeado por seu irmão, Coronel Basílio, que era a maior autoridade daquela região). Mas retirou-se do povoado após um incidente ocorrido no Natal daquele ano. Ao entrar na Capela do Sagrado Coração de Jesus, ouviu do Sr. Joaquim Cardoso dos Santos (um dos chefes políticos de Porteiras) o seguinte comentário ofensivo: "Delegado forte para os fracos". No dia seguinte fez um cerco à casa do ofensor e aprisionou uns criminosos ali homiziados. Basílio, chefe político, muito pacífico, censurou ao irmão, não apoiando sua ação.
Victor Modesto, por ser homem temperamental reagiu, e ao raiar do dia seguinte, tangendo uma tropa de burros foi a residência do irmão Basílio e entregou as chaves da Delegacia dizendo-lhe: "tome sua merda, eu não trabalho com covardes". Em seguida retirou-se do Brejo não voltando mais ao Ceará. Segundo alguns, foi se estabelecer no Sítio Alagoinha, São Gonçalo, onde se radicou e tornou-se co-fundador da cidade de Araripina-PE. Sabe-se porém que antes ele esteve no Piaui. (anotações em uma caderneta de família de Victor José Modesto que se encontra com o neto Dr. Antônio Modesto Primo, residente em Florianópolis-SC).
E foi em 1873 em Simões-PI, que nasceram os filhos: José (1873), Izabel (1875), Raimundo (1877), Francisco (1879) e Ignácio (1881).
Voltando a Pernambuco, se fixaram na fazenda Alagoinha, nas proximidades do então povoado de São Gonçalo, hoje Araripina, onde tiveram os filhos Procópio (1882), Anízio (1884), Abílio (1886) e Joaquim (1888) todos batizados pelo Padre Francisco Pedro da Silva da Freguesia de Ouricuri, conforme a citada caderneta.
Ali plantou raízes, se tornou um dos pioneiros, e um dos principais povoadores da Vila de São Gonçalo.
Faleceu no dia 08 de setembro de 1895, deixando vários filhos para dar continuidade a sua luta pelo engrandecimento da gleba que adotou como torrão natal.
Atualmente sua descendência é enorme, e se encontra espalhada por diversos estados do país.
Fonte: Livro "EM NOME DO PAI E.... DOS FILHOS.... FAMÍLIA MODESTO". Edições Bagaço, Recife 2005. Edênia Ma. Modesto da Silva
7 - Delfina Maria da Conceição (*1844) - (filha de 14 - Elias Alves da Cunha e 15 - Josefa Maria da Conceição)

Bisavós

12 - José Francisco da Silva (*1810)
13 - Ana Gomes da Silva (*1820, +08-08-1858) - (filha de 26 - Manoel Gomes da Silva e 27 - Cândida da Rocha Pita Filha) Também conhecida por Ana Joaquina de Jesus. Seu sepultamento foi feito na Igreja Matriz da cidade de Milagres-CE, conforme consta no Livro de Registro de Óbitos da Paróquia de Missão Velha-CE, 1851 a 1859, fls. 152.
14 - Elias Alves da Cunha
15 - Josefa Maria da Conceição

Trisavós

26 - Manoel Gomes da Silva (*1775)
27 - Cândida da Rocha Pita Filha (*1785, +08-08-1858) - (filha de 54 - João da Rocha Pita e 55 - Cândida da Rocha Pita)

Tetravós

54 - João da Rocha Pita (*1765) Capitão-Mor.
55 - Cândida da Rocha Pita

Total de Ancestrais: 14
Nota explicativa da numeração: A primeira pessoa da relação tem sempre o número '1'. Em seguida, cada pessoa do sexo masculino tem um número par, que é calculado multiplicando-se o número de seu filho por 2. As pessoas do sexo feminino, por sua vez, têm um número ímpar, que é calculado somando-se 1 ao número do seu marido. Exemplo: O pai da pessoa de número 3 é a de número 6 (3 x 2) e a sua mãe é a pessoa de número 7 (2 x 3 + 1).
 
   
Início da Página Dados disponibilizados por Magno José de Sá Araújo © - e-mail: Magno José de Sá Araújo