Início | Sobrenomes | Fotos | Livros | Outras Famílias
Fale Comigo   
Famílias
Sertanejas
Localização de pessoas 
   
  Memória: Nenhum nome memorizado. Domingo, 5-7-2020  

Relação dos Ancestrais de
Maria Eduarda Souza Araujo

1 - Maria Eduarda Souza Araujo - (filha de 2 - Bartolomeu de Souza Araújo Filho e 3 - Michele Simaia de Siqueira Souza Araujo)

Pais

2 - Bartolomeu de Souza Araújo Filho (*30-08-1982) - (filho de 4 - Bartolomeu de Souza Araújo e 5 - Sofia Nunes de Lima Araújo)
3 - Michele Simaia de Siqueira Souza Araujo

Avós

4 - Bartolomeu de Souza Araújo - (filho de 8 - Antônio de Souza Araújo e 9 - Francisca Defensora do Livramento) Filho adotivo.
5 - Sofia Nunes de Lima Araújo

Bisavós

8 - Antônio de Souza Araújo (*20-05-1881, +24-04-1969) - (filho de 16 - Gabriel David Gomes de Sá Novaes e 17 - Angélica de Souza Ferraz) (Antônio Viviu). O casal, além dos filhos legítimos, adotou outros três filhos: Maria Leidecleres, José dos Santos e Bartolomeu.
9 - Francisca Defensora do Livramento (*10-10-1889, +16-07-1987) - (filha de 18 - João Gregório Ferraz Nogueira e 19 - Inês Maria do Livramento)

Trisavós

16 - Gabriel David Gomes de Sá Novaes (*1850) - (filho de 32 - Francisco David de Sá e 33 - Maria Valéria de Jesus) (Viviu).
17 - Angélica de Souza Ferraz (+07-11-1955) - (filha de 34 - Antônio da Costa Araújo e 35 - Ana de Souza Ferraz) Era separada de Viviu.
18 - João Gregório Ferraz Nogueira (*04-01-1848, +28-03-1932) - (filho de 36 - Vicente Ramos Nogueira e 37 - Clara Maria da Conceição) Major. Na sua juventude serviu à religião católica, como sacristão do Padre Francisco Vieira. Era ele muito querido e na época da domesticação dos índios da Serra Negra, município de Floresta, foi padrinho de 18 indígenas. Por todo o seu trabalho, conquistou o título de Major.
Por decreto de 25 de julho de 1895, foi nomeado para o posto de Major Ajudante de Ordens do Comando Superior da Guarda Nacional. Sua carta-patente está assinada pelo Presidente Prudente de Morais.
Foi Conselheiro Municipal, Sub-Prefeito reeleito, Promotor Público Interino várias vezes, três vezes foi nomeado 1o Suplente de Juiz Municipal e esteve em exercício na função de Juiz de Direito.
Dedicou-se à medicina pela homeopatia com grande êxito. Naquela época não havia médicos no interior. Ele comprou livros, estudou e, seus diagnósticos eram sempre aprovados. Vinha gente de longas distâncias consultá-lo, não só remédios como também pedir sua opinião ou ouvir seus conselhos.
(do livro Lembrar e escrever, não é só querer... de Neco de Pautília - 2012)
19 - Inês Maria do Livramento (*10-02-1850, +07-10-1950) - (filha de 38 - Antônio da Costa Araújo e 39 - Ana de Souza Ferraz)

Tetravós

32 - Francisco David de Sá (*1804, +18-11-1881) - (filho de 64 - David Gomes de Sá e 65 - Ana Maria de Sá) Tenente. (Tenente Chiquinho). Da Faz. "Capim Grosso". Inventariante de sua mãe e tutor dos irmãos menores.
33 - Maria Valéria de Jesus (*1813, +01-10-1896) - (filha de 66 - José Francisco de Novaes e 67 - Josefa Gomes de Sá Novaes) Conhecida como Mariinha do Tapuio.
34 - Antônio da Costa Araújo - (filho de 68 - José da Costa Araújo e 69 - Gertrudes Ramos Nogueira) (Totonho do Marmeleiro). Morava na Missão de Baixa Verde, cidade de Triunfo - PE. A família "Das Virgens", residentes em Carro Quebrado, pé da serra, também de Triunfo, são também da família "Costa Araújo". Totonho do Marmeleiro foi encontrado morto nas caatingas de Lagoa da Telha, tendo falecido, provavelmente, quando andava campeando. Foi ele quem construiu o açude do Silêncio. Foram testemunhas de seu casamento: Delmiro Ramos Nogueira e Roberto Ramos Nogueira (bisavô de Olímpia de Sá Araújo, casada com o bisneto de Totonho do Marmeleiro, José Firmo de Araújo). Celebrou o seu casamento o Vigário Damaso D'Assumpção Pires.
35 - Ana de Souza Ferraz (*1826) - (filha de 70 - Manoel de Souza Ferraz e 71 - Clara Maria da Fonseca Moura) (ou Ana de Souza da Silveira, S'Aninha).
36 - Vicente Ramos Nogueira - (filho de 72 - João Antônio Ramos Nogueira e 73 - Maria Manoela do Nascimento)
37 - Clara Maria da Conceição - (filha de 74 - Manoel de Souza Ferraz e 75 - Clara Maria da Fonseca Moura) (Clara Maria da Conceição) (Calu).
38 - Antônio da Costa Araújo - (filho de 76 - José da Costa Araújo e 77 - Gertrudes Ramos Nogueira) (Mesma pessoa de nº 34)
39 - Ana de Souza Ferraz (*1826) - (filha de 78 - Manoel de Souza Ferraz e 79 - Clara Maria da Fonseca Moura) (Mesma pessoa de nº 35)

Pentavós

64 - David Gomes de Sá (+10-07-1826) - (filho de 128 - Francisco Gomes de Sá e 129 - Antônia de Souza da Rocha) Ajudante. Morava na Faz. "Jacurutú," terras da Capim Grosso.
65 - Ana Maria de Sá (+26-08-1830) - (filha de 130 - Antônio Francisco de Novaes e 131 - Antônia Maria da Conceição) Morava na Faz. "Jacurutú," terras da Capim Grosso, herança do pai e sogro. É citada por Stella Novaes como Ana Novaes.
66 - José Francisco de Novaes (+29-04-1850) - (filho de 132 - Antônio Francisco de Novaes e 133 - Antônia Maria da Conceição) Tenente Coronel. Dono da Fazenda "Misericórdia", no Pajeú, apontada como berço da tradicional família Novaes de Floresta-PE, tendo em vista ser ele o único a repassar esse sobrenome para os seus descendentes. Figura importante na formação da história florestana, pois nela exerceu importantes cargos e funções públicas, entre elas: Capitão de Ordenança da 2ª Companhia do Termo de Flores (1818), Juiz Ordinário e de Órfãos do Julgado de Tacaratu (1820 e 1822), Juiz de Órfãos e Ordinário de Cabrobó (s/data). Também foi Delegado do Termo de Floresta, comarca de Flores (1849). Em 25.09.1847, na eleição promovida pela Assembléia Paroquial, obteve 271 votos para eleitor do Senado da Câmara Municipal da Vila da Floresta, onde também foram votados: seu filho de igual nome (José Francisco de Novaes Jr. -"O Capitão Moço") e seu neto Francisco Antônio Gomes Novaes. Em 1843 era dono de terras na serra do Arapuá, onde mantinha um oratório privado, e onde eram celebrados missas, batizados e casamentos. (Fonte: Nivaldo Carvalho).
67 - Josefa Gomes de Sá Novaes - (filha de 134 - José Gomes de Sá e 135 - Feliciana da Silva da Purificação) Segundo Nivaldo Carvalho e outros, era prima de seu marido, José Francisco de Novaes.
68 - José da Costa Araújo
69 - Gertrudes Ramos Nogueira - (filha de 138 - João Antônio Ramos Nogueira e 139 - Maria Manoela do Nascimento) (ou Gertrudes Delfina Nogueira).
70 - Manoel de Souza Ferraz (+24-09-1833) - (filho de 140 - Dâmaso de Souza Ferraz e 141 - Joana Batista de Souza da Silveira) Arrendou, em 1819, uma propriedade denominada Algodões, cuja escritura foi confirmada em 12.05.1823. Em suas terras surgiu, em 1917, a povoação denominada Nazaré. Foi o sucessor de Dâmaso no comando político da família, chegando a ser suplente de vereador em Flores. Morreu assassinado por Balbino Alves quando banhava as filhas no riacho São Domingos. Seus descendentes se radicaram em Nazaré.
71 - Clara Maria da Fonseca Moura - (filha de 142 - Antônio José de Moura e 143 - Violante) (ou Clara Maria da Conceição, ou ainda Clara Maria da Penha, conforme registro de matrimônio de Antonio da Costa Araujo, seu neto).
72 - João Antônio Ramos Nogueira Marinheiro. Marinheiro português, residiu em Flores e teve 16 filhos. Em discordia com o Capitão-Mor Joaquim Nunes de Magalhães, Pau-Ferro, fugiu para Pilão Arcado. Mandou buscar a família e, não sendo possível, evadiu-se em companhia de seu filho Manoel Joviniano Ramos Nogueira (Gente Boa), deixando a última notícia em Oeiras, antiga capital do Piaui.
73 - Maria Manoela do Nascimento - (filha de 146 - José Carlos Rodrigues do Nascimento e 147 - Ana Joana Batista Pereira da Cunha)
74 - Manoel de Souza Ferraz (+24-09-1833) - (filho de 148 - Dâmaso de Souza Ferraz e 149 - Joana Batista de Souza da Silveira) (Mesma pessoa de nº 70)
75 - Clara Maria da Fonseca Moura - (filha de 150 - Antônio José de Moura e 151 - Violante) (Mesma pessoa de nº 71)
76 - José da Costa Araújo (Mesma pessoa de nº 68)
77 - Gertrudes Ramos Nogueira - (filha de 154 - João Antônio Ramos Nogueira e 155 - Maria Manoela do Nascimento) (Mesma pessoa de nº 69)
78 - Manoel de Souza Ferraz (+24-09-1833) - (filho de 156 - Dâmaso de Souza Ferraz e 157 - Joana Batista de Souza da Silveira) (Mesma pessoa de nº 70)
79 - Clara Maria da Fonseca Moura - (filha de 158 - Antônio José de Moura e 159 - Violante) (Mesma pessoa de nº 71)

Hexavós

128 - Francisco Gomes de Sá - (filho de 256 - José Francisco de Seixas e 257 - Custódia Gomes de Sá) Capitão-Comandante. Da Fazenda Riacho, na embocadura do Riacho dos Mandantes no rio S. Francisco, hoje coberta pelas águas da barragem de Itaparica.
129 - Antônia de Souza da Rocha - (filha de 258 - Manoel de Souza da Rocha e 259 - Feliciana de Barros da Silveira)
130 - Antônio Francisco de Novaes (+09-10-1806) - (filho de 260 - José Francisco de Souza e 261 - Esposa Ainda Desconhecida) Sargento-Mor. O Sargento Mor Antônio Francisco de Novaes foi grande criador de gado (bovino, cavalar, muar e criação miúda), estabelecido em fins do século XVIII na Fazenda "Capim Grosso", imensa extensão de terras, subdivididas atualmente em diversas pequenas e médias propriedades, grande parte dela ainda pertencentes aos seus descendentes ou a terceiros que as adquiriram por compra, desde a Fazenda "Tapera de Baixo," até a Fazenda "Pedra Vermelha". Tendo comprado aquela Fazenda, em 03.08.1796, a José Marques de Souza e sua mulher Rosa Maria Alves e Antônio de Souza e sua mulher Paula Perpétua de São Pedro, pelo preço de 700$000 (setecentos mil réis), com os seguintes limites; (conforme escrita da época):

"Da parte do nascente com a Fazenda Grande, no lugar chamado a Malhada Grande correndo rumo direto para a parte do Rio S. Francisco extrema com as fazendas da Pedra e Jatinan onde confronta com a lagoa da Catinga e daí correndo rumo direto para cima pela parte de cá da Serra Branca, buscando ao poente, até imparear, correndo rumo direito pela parte da Serra do Irapuá pelo altinho que está entre a baixinha do Papagaio e Riacho da Ingazeira até imparear ou confrontar com a ponta da Serra do Itó, correndo rumo pela Serra abaixo até o fim dela, extremando com a fazenda Panela d'Agua pelo Centro de uma para a de outra por onde for de razão, até imparear com a dita Malhada Grande, e para a parte do Curralinho e Campo Grande, extrema no Taboleiro do Capim Grosso de Fora, e assim extremando o dito comprador... por si etc... O Tam. Pº. Domingos Gomes".
Além de comprar a "Capim Grosso", arrendou do Morgado da Casa da Torre, na Bahia, o Sítio "Jatobá"; "extremando esta Fazenda pela parte de cima da ponta da Serra Grande do Oití, cortando direito a Quixaba e dahi cortando rumo direito a serra Grande do Olho d'Agua, e pela parte de baixo no Posso da Engazeira, e para a parte do Poente onde reparte as agoas para hua e outra parte, pagando de renda 2$000 (dois mil réis), em cada ano".

Além de comprar a "Capim Grosso", arrendou do Morgado da Casa da Torre, na Bahia, o Sítio "Jatobá"; "extremando esta Fazenda pela parte de cima da ponta da Serra Grande do Oití, cortando direito a Quixaba e dahi cortando rumo direito a serra Grande do Olho d'Agua, e pela parte de baixo no Posso da Engazeira, e para a parte do Poente onde reparte as agoas para hua e outra parte, pagando de renda 2$000 (dois mil réis), em cada ano". Era dono ou rendeiro também dos Sítios "Enjeitado" e "Tamboril", na Serra do Arapuá, em cujas propriedades desenvolveu atividades pastoris e agrícolas, com seus agregados e escravos que naquelas propriedades laboravam temporariamente ou residiam.

No seu inventário deixa um patrimônio avaliado pelo Capitão-mor José Lopes Diniz e o Ajudante Antônio Manoel de Souza Ferraz, em 15.635$450 réis, em gado, imóveis, e os seguintes bens de raiz: "um Sítio de terras na Misericórdia, no Pajeú, com légua e meia de comprido, adquirido por compra a Manoel Correia de Melo, (possivelmente irmão do seu genro), e a Joaquim Fernandes de Cerqueira; um Sítio de Terras no Capim Grosso; um curral na Pedra Vermelha; um cercado e curral na Volta; um Sítio(?) na beira do São Francisco, havido por herança do sogro e pai Vitório de Souza, (Vitório de Souza da Rocha, inventariado em 1779); o Sítio Tapera de Paulo Afonso, na Ribeira do S. Francisco, Termo de Pambú, havido por compra; o Sítio Tamboril na Serra do Arapuá". Também figuram algumas dívidas, entre elas 43$530 réis ao crioulo Pascoal Coelho de Lemos, morador na Serra do Arapuá. Não havendo qualquer referência a um 1º ou 2º casamentos seu, conforme noticia Stella Noves. Se assim foi, só houve os 04 filhos com (a 2ª esposa?) Antônia Maria da Conceição, que são contemplados em seu testamento de 1817 e que dela são herdeiros em 1830.

Fonte: FAMÍLIA NOVAES, de Floresta/PE - (Genealogia e história) - Inédito - Pesquisa e organização: Nivaldo Alves de Carvalho. Colaboração: Hildo Leal da Rosa e Yony Sampaio.
131 - Antônia Maria da Conceição (*1758, +06-06-1830) - (filha de 262 - Vitório de Souza da Rocha e 263 - Antônia Pereira Leite) Fez o seu testamento a 28.01.1817, quando contava 59 anos de idade e morava na sua Faz. "Misericórdia", tendo como testamenteiro seu filho José Francisco de Novaes.

Seus pais eram originários da Faz. "Tacoatiara," do Termo de Tacaratu, na margem pernambucana do S. Francisco, outrora pertencente aos seus avós paternos: Capitão Manoel de Souza da Rocha (+1749) e sua mulher Feliciana de Barros (da Silveira +1759). Em 1749, quando se encontrava preso no Recife o Capitão Manoel de Souza da Roxa (Rocha), pelo não recolhimento dos impostos, por ele arrematados, e o real donativo do ano de 1746, no valor total de 6 mil cruzados. Prestaram fiança para a sua libertação: o Alferes João Pinto Leal e sua mulher Maria de Barros (da Silveira); o Tenente Cel. Luiz Furtado de Almeida e sua mulher Beatriz de Souza da Silveira e o Capitão Jerônimo de Souza Ferraz e sua mulher Margarida de Souza (da Silveira), e como testemunha Manoel de Barros da Silveira. Deixando crer que eram parentes, pelo menos por afinidade, numa hipótese consistente de que a esposa do réu e as esposas dos fiadores eram irmãs; (inclusive a testemunha), filhas de Manoel de Barros e Souza e Joana Fagundes da Silveira, originários da freguesia de Jesus-Maria-José de Pé-de-Banco, em Sergipe Del Rei, que naquela época fazia parte da Bahia, e que em 1726 já estavam radicados na Missão do Pambú, do lado baiano do rio São Francisco, passando depois para o lado de Pernambuco (Cabrobó e Tacaratú), com ramificações estabelecidas no Ceará e Paraíba.

Fonte: FAMÍLIA NOVAES, de Floresta/PE - (Genealogia e história) - Inédito - Pesquisa e organização: Nivaldo Alves de Carvalho. Colaboração: Hildo Leal da Rosa e Yony Sampaio.
132 - Antônio Francisco de Novaes (+09-10-1806) - (filho de 264 - José Francisco de Souza e 265 - Esposa Ainda Desconhecida) (Mesma pessoa de nº 130)
133 - Antônia Maria da Conceição (*1758, +06-06-1830) - (filha de 266 - Vitório de Souza da Rocha e 267 - Antônia Pereira Leite) (Mesma pessoa de nº 131)
134 - José Gomes de Sá - (filho de 268 - Francisco Gomes de Sá e 269 - Antônia de Souza da Rocha) Capitão-comandante. De Gravatá.
135 - Feliciana da Silva da Purificação - (filha de 270 - Joaquim de Almeida da Silva Leal e 271 - Maria da Silva) (ou Feliciana da Silva Leal). Da Faz. Riacho, situada na embocadura do riacho dos Mandantes, no rio S. Francisco.
138 - João Antônio Ramos Nogueira (Mesma pessoa de nº 72)
139 - Maria Manoela do Nascimento - (filha de 278 - José Carlos Rodrigues do Nascimento e 279 - Ana Joana Batista Pereira da Cunha) (Mesma pessoa de nº 73)
140 - Dâmaso de Souza Ferraz - (filho de 280 - Jerônimo de Souza Ferraz e 281 - Nome Desconhecido) Da Fazenda Curralinho. Foi nomeado Capitão dos Forasteiros da Ribeira do Pajeú em 8-09-1780.
141 - Joana Batista de Souza da Silveira
142 - Antônio José de Moura A família MENDES DE MOURA originou-se de três portugueses que chegaram na região da ribeira do São Francisco, nas Fazendas Roque e Sabiúca, por volta do século XVIII. Eles foram: CIPRIANO JOSÉ DE MOURA, ANTÔNIO JOSÉ DE MOURA e MARIANO JOSÉ DE MOURA.
143 - Violante - (filha de 286 - Miguel da Fonseca)
146 - José Carlos Rodrigues do Nascimento O abastado fazendeiro José Carlos Rodrigues, remanescente dos fundadores da Casa da Torre e dono da fazenda Sabonete, situada no lugar em que está hoje Bom Nome, com sua esposa, Ana Joana Batista Pereira da Cunha, deixaram 8 filhos, sendo 6 mulheres e 2 homens. A filha Jacinta foi esposa de José Pereira da Silva. Outra, chamada Maria Manoela do Nascimento, foi esposa do português João Antônio Ramos Nogueira. Outra, foi esposa de José Mariano de Sá (de Floresta-PE), a qual o abastado fazendeiro deu a propriedade Canafístula. Outra, foi mulher de um rapaz da fazenda Ema (em Floresta-PE). Outra, casou na família Lacerda, e outra ainda, foi casada com um rapaz da fazenda Jazido, em Vila Bela. Os dois rapazes casaram. O primeiro, com uma moça do Pato (na ribeira do Pajeú), e o segundo, Gonçalo Rodrigues do Nascimento (falecido em 22/7/1878 aos 82 anos de idade), foi casado com a cearense Vitoriana Gomes de Oliveira (falecida em 16/4/1879 aos 75 anos de idade). (do livro "São José do Belmonte" de Valdir Nogueira, página 255).
147 - Ana Joana Batista Pereira da Cunha - (filha de 294 - Nome Desconhecido e 295 - Nome Desconhecido)
148 - Dâmaso de Souza Ferraz - (filho de 296 - Jerônimo de Souza Ferraz e 297 - Nome Desconhecido) (Mesma pessoa de nº 140)
149 - Joana Batista de Souza da Silveira (Mesma pessoa de nº 141)
150 - Antônio José de Moura (Mesma pessoa de nº 142)
151 - Violante - (filha de 302 - Miguel da Fonseca) (Mesma pessoa de nº 143)
154 - João Antônio Ramos Nogueira (Mesma pessoa de nº 72)
155 - Maria Manoela do Nascimento - (filha de 310 - José Carlos Rodrigues do Nascimento e 311 - Ana Joana Batista Pereira da Cunha) (Mesma pessoa de nº 73)
156 - Dâmaso de Souza Ferraz - (filho de 312 - Jerônimo de Souza Ferraz e 313 - Nome Desconhecido) (Mesma pessoa de nº 140)
157 - Joana Batista de Souza da Silveira (Mesma pessoa de nº 141)
158 - Antônio José de Moura (Mesma pessoa de nº 142)
159 - Violante - (filha de 318 - Miguel da Fonseca) (Mesma pessoa de nº 143)

Heptavós

256 - José Francisco de Seixas Capitão-Mor e Juiz Ordinário. Nomeado Tenente da Cia. do Cel. Francº Rodrigues de Figueiredo em 1729; em 1732 Cap. do Regitº da Infantaria da Ordem da Fregª de N. Srª. da Conceição do Rodelas; em 1833 e 1738, Juiz Ordinário da Fregª de N. Srª. da Conceição do Rodelas, em nomeações seqüenciadas, até 1757, quando ainda aparece como Juiz Ordinário de Cabrobó. (Fonte: Nivaldo Carvalho).
257 - Custódia Gomes de Sá - (filha de 514 - David Gomes de Sá)
258 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) Capitão. Arrendou a fazenda Tacoatiara, no lado pernambucano do rio São Francisco, no termo de Tacaratú.
259 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759)
260 - José Francisco de Souza - (filho de 520 - José Francisco de Seixas e 521 - Custódia Gomes de Sá)
261 - Esposa Ainda Desconhecida Possivelmente originária dos Novaes de Cabrobó.
262 - Vitório de Souza da Rocha - (filho de 524 - Manoel de Souza da Rocha e 525 - Feliciana de Barros da Silveira) Originário da Faz. "Tacoatiara", do Termo de Tacaratu, na margem pernambucana do S. Francisco.

Fonte: FAMÍLIA NOVAES, de Floresta/PE - (Genealogia e história) - Inédito - Pesquisa e organização: Nivaldo Alves de Carvalho. Colaboração: Hildo Leal da Rosa e Yony Sampaio.
263 - Antônia Pereira Leite
264 - José Francisco de Souza - (filho de 528 - José Francisco de Seixas e 529 - Custódia Gomes de Sá) (Mesma pessoa de nº 260)
265 - Esposa Ainda Desconhecida (Mesma pessoa de nº 261)
266 - Vitório de Souza da Rocha - (filho de 532 - Manoel de Souza da Rocha e 533 - Feliciana de Barros da Silveira) (Mesma pessoa de nº 262)
267 - Antônia Pereira Leite (Mesma pessoa de nº 263)
268 - Francisco Gomes de Sá - (filho de 536 - José Francisco de Seixas e 537 - Custódia Gomes de Sá) (Mesma pessoa de nº 128)
269 - Antônia de Souza da Rocha - (filha de 538 - Manoel de Souza da Rocha e 539 - Feliciana de Barros da Silveira) (Mesma pessoa de nº 129)
270 - Joaquim de Almeida da Silva Leal - (filho de 540 - João Pinto Leal e 541 - Maria de Barros da Silveira)
271 - Maria da Silva
278 - José Carlos Rodrigues do Nascimento (Mesma pessoa de nº 146)
279 - Ana Joana Batista Pereira da Cunha - (filha de 558 - Nome Desconhecido e 559 - Nome Desconhecido) (Mesma pessoa de nº 147)
280 - Jerônimo de Souza Ferraz (+20-05-1770) Foi o primeiro Ferraz que chegou a outrora FAZENDA GRANDE do Sertão de Pernambuco (depois Vila de Floresta e hoje FLORESTA), à margem direita do lendário Rio Pajeú (afluente seco do "Grande Rio" ou do Rio São Francisco).
281 - Nome Desconhecido
286 - Miguel da Fonseca Dono da fazenda Santo Amaro Navio.
294 - Nome Desconhecido
295 - Nome Desconhecido
296 - Jerônimo de Souza Ferraz (+20-05-1770) (Mesma pessoa de nº 280)
297 - Nome Desconhecido (Mesma pessoa de nº 281)
302 - Miguel da Fonseca (Mesma pessoa de nº 286)
310 - José Carlos Rodrigues do Nascimento (Mesma pessoa de nº 146)
311 - Ana Joana Batista Pereira da Cunha - (filha de 622 - Nome Desconhecido e 623 - Nome Desconhecido) (Mesma pessoa de nº 147)
312 - Jerônimo de Souza Ferraz (+20-05-1770) (Mesma pessoa de nº 280)
313 - Nome Desconhecido (Mesma pessoa de nº 281)
318 - Miguel da Fonseca (Mesma pessoa de nº 286)

Octavós

514 - David Gomes de Sá Tenente Coronel.
520 - José Francisco de Seixas (Mesma pessoa de nº 256)
521 - Custódia Gomes de Sá - (filha de 1042 - David Gomes de Sá) (Mesma pessoa de nº 257)
524 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) (Mesma pessoa de nº 258)
525 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759) (Mesma pessoa de nº 259)
528 - José Francisco de Seixas (Mesma pessoa de nº 256)
529 - Custódia Gomes de Sá - (filha de 1058 - David Gomes de Sá) (Mesma pessoa de nº 257)
532 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) (Mesma pessoa de nº 258)
533 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759) (Mesma pessoa de nº 259)
536 - José Francisco de Seixas (Mesma pessoa de nº 256)
537 - Custódia Gomes de Sá - (filha de 1074 - David Gomes de Sá) (Mesma pessoa de nº 257)
538 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) (Mesma pessoa de nº 258)
539 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759) (Mesma pessoa de nº 259)
540 - João Pinto Leal (+Sim) Alferes.
541 - Maria de Barros da Silveira (+Sim) - (filha de 1082 - Manoel de Souza da Rocha e 1083 - Feliciana de Barros da Silveira) Também consta como Maria da Silveira Barros.
558 - Nome Desconhecido (Mesma pessoa de nº 294)
559 - Nome Desconhecido (Mesma pessoa de nº 295)
622 - Nome Desconhecido (Mesma pessoa de nº 294)
623 - Nome Desconhecido (Mesma pessoa de nº 295)

Eneavós (9º avós)

1042 - David Gomes de Sá (Mesma pessoa de nº 514)
1058 - David Gomes de Sá (Mesma pessoa de nº 514)
1074 - David Gomes de Sá (Mesma pessoa de nº 514)
1082 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) (Mesma pessoa de nº 258)
1083 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759) (Mesma pessoa de nº 259)

Total de Ancestrais: 115
Nota explicativa da numeração: A primeira pessoa da relação tem sempre o número '1'. Em seguida, cada pessoa do sexo masculino tem um número par, que é calculado multiplicando-se o número de seu filho por 2. As pessoas do sexo feminino, por sua vez, têm um número ímpar, que é calculado somando-se 1 ao número do seu marido. Exemplo: O pai da pessoa de número 3 é a de número 6 (3 x 2) e a sua mãe é a pessoa de número 7 (2 x 3 + 1).
 
   
Início da Página Dados disponibilizados por Magno José de Sá Araújo © - e-mail: Magno José de Sá Araújo