Início | Sobrenomes | Fotos | Livros | Outras Famílias
Fale Comigo   
Famílias
Sertanejas
Localização de pessoas 
   
  Memória: Nenhum nome memorizado. Segunda-Feira, 10-8-2020  

Relação dos Ancestrais de
José Pereira da Cruz

1 - José Pereira da Cruz - (filho de 2 - Joaquim Pereira de Barros e 3 - Joaquina Maria do Amor Divino)

Pais

2 - Joaquim Pereira de Barros - (filho de 4 - Joaquim Pereira Simões e 5 - Inocência Muniz de Barros)
3 - Joaquina Maria do Amor Divino

Avós

4 - Joaquim Pereira Simões Residente em Caiçara, Ceará.
5 - Inocência Muniz de Barros - (filha de 10 - Francisco Antônio de Barros e 11 - Joana Tavares Muniz)

Bisavós

10 - Francisco Antônio de Barros (*13-06-1807, +1832) - (filho de 20 - Luiz Rodrigues da Cruz e 21 - Maria de Barros da Assunção) Capitão. Participou, no Ceará, do movimento revolucionário "Guerra do Pinto" e foi morto numa emboscada na descida da Serra do Araripe para o Crato ou Barbalha, quando, à frente de sua tropa, destinava-se a atacar os revoltosos sediados naquelas cidades.
11 - Joana Tavares Muniz - (filha de 22 - Gonçalo Tavares Muniz e 23 - Maria da Encarnação de Jesus) Da família Furtado.

Trisavós

20 - Luiz Rodrigues da Cruz (*1779) - (filho de 40 - Francisco Rodrigues da Cruz e 41 - Maria Rosa de Jesus) Capitão-de-Conquista. Tomou parte em diversos movimentos revolucionários ocorridos no Nordeste. Em 1824, foi chamado para combater os revolucionários do Maranhão, chegando até Oeiras, no Piauí, onde adoeceu e teve que regressar para Pernambuco. Por essa razão, foi considerado traidor ou desertor, ficando preso por seis meses na cadeia de Flores - PE.
Em 1832, combateu ou foi partidário do General Pinto Madeira, na famosa Guerra do Pinto, no Ceará, onde foi morto em combate o seu filho Capitão Francisco Antônio de Barros. Também tomou parte na revolução da Serra Negra, em 1848, combatendo as forças do governo, ao lado do seu parente José Rodrigues de Moraes, neto do primeiro dono daquela serra, João Rodrigues de Moraes, morto em 1832.
21 - Maria de Barros da Assunção (*1794) - (filha de 42 - Manoel Lopes Diniz Filho e 43 - Ana Maria de Carvalho)
22 - Gonçalo Tavares Muniz
23 - Maria da Encarnação de Jesus - (filha de 46 - Gregório Barbosa Nogueira e 47 - Isabel Furtado Leite) (ou Rita Maria do Espírito Santo).

Tetravós

40 - Francisco Rodrigues da Cruz
41 - Maria Rosa de Jesus
42 - Manoel Lopes Diniz Filho (*1751, +1839) - (filho de 84 - Manoel Lopes Diniz e 85 - Maria de Barros da Silveira) Coronel. Fazendeiro e boiadeiro no Sertão, era conhecido por Coronel do Brejo, em referência à Fazenda Brejo do Gama, Floresta - PE, onde morava, arrendada da Casa da Torre da Bahia.
Foi nomeado Coronel das Entradas do Distrito de Tacaratu e Flores, em 15-10-1781 e 19-12-1788, respectivamente. De 1801 a 1803 era Juiz Ordinário do Julgado do Sertão do Pajeu (Flores). Com a instalação da Vila de Flores, foi nomeado Capitão em 27-05-1811.
43 - Ana Maria de Carvalho - (filha de 86 - Gen. Frederico Licor) Da fazenda Malhada Grande, na margem pernambucana do Rio São Francisco, hoje Belém do São Francisco-PE.
46 - Gregório Barbosa Nogueira - (filho de 92 - Nome Desconhecido) Primo legítimo de Francisco Barbosa Nogueira, casado com Maria da Silva Barros.
47 - Isabel Furtado Leite - (filha de 94 - Luis Furtado Leite e Almeida e 95 - Beatriz de Souza da Silveira) Diziam os antigos que era parenta de Florência Maria de Barros e que a roubaram das margens do rio São Francisco, para o Ceará. A família da menina soube que esta existia quando os pais adotivos mandaram convidar para o casamento. A menina furtada casou-se com um estrangeiro, e julgavam os antigos ser esta menina a origem do cognome Furtado.

Pentavós

84 - Manoel Lopes Diniz (*17-01-1709, +07-12-1796) - (filho de 168 - Bento Lopes e 169 - Águeda Maria Diniz) De Santo André de Marecos, no Conselho de Penafiel, cidade e bispado do Porto, Portugal. Fundador da Fazenda Panela d'Água, em Floresta do Navio. Diz-se que descendente do 6º Rei de Portugal, o Rei Lavrador, D. Diniz (filho de Afonso III e Beatriz de Castela), casado com Isabel de Aragão, a Rainha Santa (canonizada pela Igreja Católica como Santa Isabel). Foi sepultado na Igreja do Rosário, em Floresta-PE (1796).

Panela D'água era uma antiga fazenda de gado situada ao Leste da Serra do Arapuá no Sertão do Pajeú, arrendada em 1756 ao morgado da Casa da Torre na Bahia, e pertencente à Francisco Garcia D'Avila Pereira e Aragão proprietário destas terras na Provincia de Pernambuco, pelo portugues Manoel Lopes Diniz e posteriormente comprada por seu filho José Lopes Diniz.
85 - Maria de Barros da Silveira - (filha de 170 - João Pinto Leal e 171 - Maria de Barros da Silveira)
86 - Gen. Frederico Licor
92 - Nome Desconhecido - (filho de 184 - Nome Desconhecido)
94 - Luis Furtado Leite e Almeida Coronel.
95 - Beatriz de Souza da Silveira - (filha de 190 - Manoel de Barros e Sousa e 191 - Joana Fagundes da Silveira)

Hexavós

168 - Bento Lopes (*05-06-1671, +1740) - (filho de 336 - Gaspar Lopes e 337 - Catarina Teixeira) Morava no lugar da Reigada, em Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
169 - Águeda Maria Diniz (*05-02-1681, +1743) - (filha de 338 - Manoel Dias e 339 - Ana Diniz) Da freguesia de Santos Andredo Marrocos, norte de Portugal (ou África).
170 - João Pinto Leal (+Sim) Alferes.
171 - Maria de Barros da Silveira (+Sim) - (filha de 342 - Manoel de Souza da Rocha e 343 - Feliciana de Barros da Silveira) Também consta como Maria da Silveira Barros.
184 - Nome Desconhecido
190 - Manoel de Barros e Sousa Vindo para o Brasil, radicou-se em Sergipe.
191 - Joana Fagundes da Silveira

Heptavós

336 - Gaspar Lopes (*09-01-1640, +1675) - (filho de 672 - Manoel Francisco Lopes e 673 - Maria Antônia) Moravam em Santo Estêvão de Oldrões, bispado do Porto, Portugal.
337 - Catarina Teixeira (*1642, +1696) - (filha de 674 - Gonçalo Teixeira e 675 - Maria Francisca)
338 - Manoel Dias (+1691) - (filho de 676 - Gaspar Dias e 677 - Maria Dias) Morava em Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
339 - Ana Diniz (*14-05-1637, +1712) - (filha de 678 - Domingos Gonçalves e 679 - Francisca Diniz)
342 - Manoel de Souza da Rocha (+1749) Capitão. Arrendou a fazenda Tacoatiara, no lado pernambucano do rio São Francisco, no termo de Tacaratú.
343 - Feliciana de Barros da Silveira (+1759)

Octavós

672 - Manoel Francisco Lopes (*1600, +1674) - (filho de 1344 - Gaspar Francisco e 1345 - Catarina Lopes) Moravam em Santa Maria de Perozelo, bispado do Porto, Portugal.
673 - Maria Antônia (+1655) - (filha de 1346 - Francisco Diniz e 1347 - Maria Dias)
674 - Gonçalo Teixeira (*16-01-1606, +1694) - (filho de 1348 - Antônio Teixeira e 1349 - Maria Dias) Moravam em Santo Estêvão de Oldrões, bispado do Porto, Portugal.
675 - Maria Francisca (*21-03-1618, +1654) - (filha de 1350 - Francisco Fernandes e 1351 - Violante Gonçalves)
676 - Gaspar Dias (+1667) Morava em Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
677 - Maria Dias (+1699)
678 - Domingos Gonçalves (+1664) Residia na Reigada, Santo André de Marecos, bispado do Porto, Portugal.
679 - Francisca Diniz (+1675)

Eneavós (9º avós)

1344 - Gaspar Francisco - (filho de 2688 - Francisco Jorge e 2689 - Margarida Alves)
1345 - Catarina Lopes - (filha de 2690 - Gonçalo Lopes e 2691 - Margarida Alves)
1346 - Francisco Diniz (+1628)
1347 - Maria Dias (+1610)
1348 - Antônio Teixeira (*SEC XVI, +1658) Padre. Foi cura em Santiago de Valpedre, Porto - Portugal, entre 1603 e 1605, e vigário de São Miguel de Arcozelo, bispado do Porto, Portugal, entre 1622 e 1658.
1349 - Maria Dias
1350 - Francisco Fernandes (+1670) Residia em Santo Estêvão de Oldrões, bispado do Porto, Portugal.
1351 - Violante Gonçalves (+1659)

Decavós (10º avós)

2688 - Francisco Jorge
2689 - Margarida Alves (+1632)
2690 - Gonçalo Lopes (+1631)
2691 - Margarida Alves (+1613)

Total de Ancestrais: 55
Nota explicativa da numeração: A primeira pessoa da relação tem sempre o número '1'. Em seguida, cada pessoa do sexo masculino tem um número par, que é calculado multiplicando-se o número de seu filho por 2. As pessoas do sexo feminino, por sua vez, têm um número ímpar, que é calculado somando-se 1 ao número do seu marido. Exemplo: O pai da pessoa de número 3 é a de número 6 (3 x 2) e a sua mãe é a pessoa de número 7 (2 x 3 + 1).
 
   
Início da Página Dados disponibilizados por Magno José de Sá Araújo © - e-mail: Magno José de Sá Araújo